MACEIÓ

O vejo seco ou cheio Com a sede de salgar O rio que as vezes perde o freio E chora mais forte que o mar. A travessia, ora rasinha e cristalina, Ora com aventura e emoção, Flui o Maceió no coração Do navegante até o outro lado da piscina. A maré desenha a passagem, Os…

CARNAVAL

A ressaca do carnaval me deixa quieto. Bebo, recito, canto, danço e brinco tanto Com o meu povo seleto, Que das cinzas eu faço prantos. O êxtase quer pular o mundo, A virgem sai feito uma bicha louca, As marchinhas, os frevos de saudade, a muvuca, As músicas de plástico no feriado vagabundo. Tudo isso…

CARANGUEJO DO TIO HUDSON

Uma repetição muito almejo Quando essa foto revejo. Aproveito o suculento e poético ensejo Para registrar o prazer de comer esse caranguejo. Humm… que delícia é o som Da arte culinária do amigo Hudson Na mesa posta pela amada Carol, Acompanhada de uma beats Skol. Foi de lamber os dedos Ao molho de coco e…

SAMBA NA POEIRA

O cara levou ela pra trabalhar na poeira E ainda serviu um copo d’água da torneira. A volumosa camada de ácaro acendeu a gripe E feriu a sua nobre estirpe. Uma dama não merece banho de fuligem, Amasso temperado com sujeira, Ter o corpo mergulhado na descuidada paisagem Feita de pó, não ergonômica e grosseira….

HINO DO BLOCO DO RECANTO DO POETA

O verso veste o manto Do bloco do recanto. Na praia do amor O carnaval já começou. O rangido da trilha acelera o frevo. Os foliões vencem o relevo, A chata mosca mutuca do mangue E a cachaça do bagre no sangue. A rã salta na avenida, O peixe rasga a rede e ganha saída….

O DEDO DA PRAIA DO AMOR

O dedo de Deus Aponta pros céus. Nessa verdejante relva A barreira sustenta a sua arte ruiva. Esse é o indicador Da Praia do Amor, No pico da paixão Vencendo a erosão. O olho do poeta indexou Esse vertical sentido Pela natureza esculpido. O coração a impressão captou E a paisagem virou recital Nas linhas…